Postado por Larissa Kiddo 0 Comments



Review: Desde criança, via esse filme nas locadoras e o julgava apenas como uma dessas bobagens teens. Essa semana tirei um tempo para assistí-lo e, para minha surpresa, ele possui uma história mais interessante do que eu imaginava, o roteiro é bom e satiriza a chegada para a adolescência com bastante humor negro e muitos litros de sangue.
Entediadas com as coisas da adolescência, as irmãs Ginger (Katharine Isabelle) e Brigitte (Emily Perkins) procuram algo que provoque um pouco de agito em suas vidas. Só que elas conseguem muito mais do que esperavam quando Ginger é atacada por uma fera selvagem, que lhe causa uma incrível metamorfose. Uma força terrível rapidamente se apodera de Ginger, ameaçando destruir o laço que une as irmãs e todas as pessoas em torno delas. Na medida em que Ginger se transforma numa horrível fera sedenta por sangue, Brigitte luta para libertá-la das garras do demônio, mas seu comportamento selvagem se torna cada vez mais incontrolável.
Só o início do filme já mostra que é diferente, com as irmãs tirando fotos simulando suas próprias mortes das maneiras mais estranhas, talvez pela onda punk e rock da época a trama homenageia e parodia os comportamentos jovens mais controversos através dos diálogos, as duas vivem conversando sobre como as pessoas populares da escola deveriam morrer, tudo com muito humor negro.
A passagem para a adolescência é o grande alvo desse humor negro do filme. Se você também viu longas de lobisomens interpretados por homens, sabe da nojeira que são as transformações. Agora imagine essas mudanças sendo vividas por uma moça bonita saindo da puberdade. Quando é mordida pela fera, Ginger passa a chamar mais a atenção de todos por sua beleza, porém aos poucos o telespectador se vê diante de um monstro bem diferente, pois além de estar se tornando lobisomem, ela está na TPM (aquela época em que as mulheres são mais agradáveis com os homens). Num determinado momento, Ginger infecta um rapaz com quem teve relações, o garoto também vai se transformando, porém ao invés de nascerem pêlos, o rapaz de rosto liso fica com a face cheia de espinhas (não se espante, leitor precoce, essas espinhas não te transformarão em lobo, isso é coisa de filme, infelizmente a cura automática para elas também, rsrs).
O longa não poupa nem as cenas mais simples, fazendo de tudo para mostrar sangue. Então, não estranhe ao perceber que há mais tripas na tela do que o normal. O primeiro ataque da fera é muito bem feito, porém o legal mesmo é ver a garota se transformar aos poucos. O monstro do final fica a desejar, mas a história não perde a graça por isso. Ginger Snaps iniciou a década muito bem, depois dele foram poucos os filmes de lobisomens com enredos inteligentes. O filme recebeu duas continuações, a primeira foi muito elogiada, mas não precisa ser assistida obrigatoriamente, pois o enredo do original também conclui a história de maneira eficiente.
Direção: John Fawcett.
Elenco: Emily Perkins, Katharine Isabelle,  Kris Lemche,  Danielle Hampton, Mimi Rogers, Jesse Moss, etc.
Trailer:
Download do filme/RMVB(Legendado):

Reações: 

0 Responses so far.

Postar um comentário