Postado por Larissa Kiddo 0 Comments


Brian Michael Bendis é o cara responsável por conseguir recriar o Homem-Aranha para as novas gerações com todo o sucesso possível. Ok, ressalvas podem ser feitas, mas o trabalho desenvolvido durante 160 edições do gibi da versão Ultimate do personagem conseguiu manter algumas dos conceitos-chave criados por Stan Lee, além de atualizar outros e ainda adicionar novas ideias. Agora, Bendis irá dar continuidade a esta saga de uma forma que faz total sentido e com um novo Homem-Aranha.
 Em Ultimate Comics Spider-Man #160, Peter Parker morreu definitivamente, ao menos é o que garante o roteirista. Sendo assim, pela primeira vez, um super-herói estadunidense de primeira escalão consegue encerrar uma cronologia coesa. De dez anos, é verdade, mas coesa. Porém, todo mundo sabia que não ficaríamos muito tempo sem um Homem-Aranha Ultimate. A Marvel, inclusive, havia divulgado uma imagem do novo Cabeça-de-Teia e um novo uniforme. Porém, nesta terça-feira, a Casa das Ideias divulgou quem será o novo personagem por debaixo da máscara.
Miles Morales

O nome do cara (ou, no caso, do garoto), é Miles Morales, que é meio negro, meio hispânico, além de ser tão jovem quanto o Peter Parker do Ultiverso era. A estreia do personagem acontece nesta quarta-feira (nos EUA, óbvio), em Ultimate Comics Fallout #4. Só que a origem dele só será descoberta no relançamento de Ultimate Comics Spider-Man em setembro, com o novo número 1 do gibi. Bendis continuará como roteirista, um verdadeiro recorde com o personagem. A arte será de Sara Pichelli.

Antes, em qualquer versão do Multiverso Marvel, apenas brancos caucasianos haviam se tornado o Homem-Aranha. Na realidade, todos foram Peter Parker, a não ser o próprio Universo Marvel padrão, onde o clone de Parker, Ben Reilly, usou o manto do herói por algum tempo.
Ultimate Comics Spider-Man #1
Só que, como disse antes, a transição faz todo o sentido. O Homem-Aranha é um personagem que interage com o nosso lado mais retraído, mais nerd, mais perdido. Peter Parker, nos anos 60, era um jovem estudante do Segundo Grau, zoado por todo, sem pais, criado pelos tios com muio carinho, amor e sacrificio. Haviam contas e mais contas para pagar. Só que, um dia, ele ganha super-poderes, pode botar uma mascara e fazer o que quiser com os outros, fazendo, inclusive, piadinhas deles. Um personagem que dialogava com todos os leitores. Todo mundo queria ser o Homem-Aranha

Quando o Universo Ultimate foi criado, em 2000, Brian Michael Bendis manteve o mesmo espírito, mas seguiu uma regra de ouro: não envelheceu o personagem, como Stan Lee fez nos anos 60 e que, a partir da década de 80, se tornou um peso para os roteiristas.

Agora, com Miles Morales, Bendis poderá interagir com os novos excluídos da sociedade estadunidense, aqueles que querem ser alguém, mas são deixados de lado por serem latinos, negros, envergonhados… Mile é meio negro e meio hispânico, mas passará, provavelmente, pelas mesmas dificuldades de brancos, indídios, asiátios… Todo aqueles que se sentem à margem.

Ao menos por enquanto, a receptividade para as mudanças têm sido muito boa. De acordo com aDiamond, distribuidora única no mercado direito de HQs dos EUA, Ultimate Comics Spider-Man #160 vendeu, de acordo com a estimativa, aproximadamente 160 mil exemplares, 107 mil exemplares A MAIS que a edição 159 e 65 mil exemplares a frente do segundo colocado, que foiFear Itself #3, atual grande crossover da Marvel.

Alguém pode estar falando “ah, vão reviver o Peter Parker logo logo”. Desta vez, o retorno não faz nenhum sentido. Tudo está sendo feito da melhor forma possível. Está aí uma grande chance das HQs recuperarem a sua credibilidade.

O Homem-Aranha está morto. Vida longa ao Homem-Aranha!



Fonte: Judão

Reações: 

0 Responses so far.

Postar um comentário